Quem não aplicar vacina contra a aftosa terá propriedade interditada

Vacinação contra Febre Aftosa

Jornal do Campo | Foto: Fernando Dias/SEAPDR/Arquivo

Começou no dia 1º de novembro a segunda etapa da vacinação contra a febre aftosa.

Realizada pelo Departamento de Defesa Agropecuária, da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do Estado do Rio Grande do Sul, a ação é obrigatória para todos os bovinos e búfalos de 0 a 24 meses de idade e o objetivo é a proteção do rebanho gaúcho contra esta doença grave, altamente contagiosa e responsável por grandes prejuízos econômicos e sociais.

Vestibular Fasa 2020

É importante que o produtor proteja o rebanho e comprove a vacinação na Inspetoria de Defesa Agropecuária mais próxima durante o mês de novembro.

Aqueles que não fizerem a imunização no período estabelecido serão autuados e terão a propriedade interditada até que a vacinação seja regularizada.

Atualmente, o Rio Grande do Sul, que é considerado uma zona livre de aftosa com vacinação, busca evoluir seu status sanitário.

Em setembro, o Estado passou por auditoria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para a retirada da vacinação.

A secretaria ainda aguarda a divulgação do relatório do ministério – enquanto a retirada não é confirmada, as etapas de vacinação ocorrem normalmente.

Qualidade das doses

A conservação das doses de vacinas é fundamental para a garantia da imunização dos animais. O produto deve permanecer, desde a compra até o uso, na geladeira e deve ser aplicado em até 5 dias corridos, após a aquisição.

Os refrigeradores domésticos nem sempre mantêm a temperatura apropriada à conservação da vacina. É importante não colocar os frascos no freezer ou congelador, pois o congelamento anula o efeito da vacina.

Neste ano, a vacina contra febre aftosa sofreu importantes alterações na sua formulação: houve uma redução na dosagem de aplicação de 5 ml para 2 ml; a vacina passou a ser bivalente, permanecendo a proteção contra os vírus tipo A e O e as apresentações comercializadas agora serão de 15 e 50 doses.

A composição do produto também foi modificada com intuito de diminuir as reações vacinais.

Aquisição

As vacinas podem ser adquiridas em uma das 600 casas agropecuárias credenciadas na Secretaria para a comercialização deste produto.

Após imunizar seu rebanho, o produtor terá até 6 de dezembro para comprovar a vacinação junto à Inspetoria de Defesa Agropecuária local, apresentando a classificação do rebanho, por sexo e idade, e a nota fiscal de compra das doses aplicadas.

As notificações de suspeitas de enfermidades vesiculares podem ser feitas pelo Whatsapp 51 984 452 033, pelo e-mail notifica@agricultura.rs.gov.br ou na Inspetoria de Defesa Agropecuária (IDA) mais próxima.

Em Santo Ângelo, a IDA está localizada na rua Três de Outubro, 565. Telefones: 55 3312 – 2639 e 3314 – 0141.

Informações sobre a vacinação contra a febre aftosa também podem ser obtidas com a equipe do Sindicato Rural de Santo Ângelo: 55 3313 – 3775.

[+] Veja mais Jornal do Campo aqui