Placa com padrão Mercosul? Conheça os modelos brasileiros desde 1901

Placa com padrão Mercosul? Conheça os modelos brasileiros desde 1901

Motores | Foto: Outra Estação.com | © Todos os direitos reservados

Desde 2018 é possível ver as novas placas de identificação dos veículos nas ruas e estradas brasileiras. A “placa do Mercosul“, padrão adotado na Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, tem alterações em comparação ao modelo anterior (predominantemente cinza, com três letras e quatro números).

O novo desenho tem as cores branca, preta e azul em sua composição e eliminou o destaque a município e estado, constando apenas a inscrição Brasil sobre uma sequência que agora possui quatro letras e três números: XXX1X11.

Com o acréscimo de uma letra na segunda posição do quarteto final, a quantidade de combinações poderá ser ampliada em comparação ao sistema que era composto apenas por números.

A placa contém a bandeira do Brasil, o símbolo do Mercosul, as letras BR e um símbolo em QR code, que permitirá aos fiscais, após escaneamento com equipamento compatível, verificar todas as informações relativas àquele veículo (veja abaixo).

Nova placa Mercosul

Instalação da placa do Mercosul

De acordo com o Detran RS, “somente precisarão colocar a placa Mercosul os veículos novos (1º emplacamento), em processo de transferência de município ou de propriedade, em mudança de categoria e aqueles que tiverem necessidade de substituição das placas, efeito de avarias, perdas e furtos. Os demais veículos não terão data-limite para adaptação e poderão circular com as placas atuais (cinza) normalmente.”

O valor varia de acordo com cada EPIV (Estampadora de Placa de Identificação Veicular), podendo chegar a R$ 250 para carros e R$ 140 (motos).

Há duas empresas destacadas pelo Detran RS como habilitadas a produzir as novas placas em Santo Ângelo (veja aqui).

Placas no Brasil

A última alteração no padrão de placas utilizado em solo brasileiro foi encerrada em 1996, quando terminou o processo de transição iniciado em 1990 para trocas do modelo amarelo (foto em destaque) para o acinzentado. Conheça a linha do tempo das placas veiculares brasileiras:

1901 – 1915

Neste período, cada proprietário dos poucos veículos existentes no Brasil confeccionava sua placa conforme o gosto pessoal. Ela tinha fundo preto com números em cor branca ou metálica.

1915 – 1941

Continuavam pretas, mas agora com o acréscimo das letras P, para carros particulares, e A, caso dos de aluguel (caminhões, ônibus, táxis). No interior, algumas placas destacavam o nome da cidade do veículo.

1941 – 1960

As placas dos carros particulares passaram a ser cor de abóbora, com números e nome da cidade e estado. Os táxis e veículos comerciais usavam placas com a cor vermelha.

1960 – 1970

Os objetos de identificação veiculares mudaram de abóbora para amarela sua cor predominante, com inscrições em preto.

1971 – 1990

As placas começaram a ser produzidas no formato clássico de cor amarela, inscrições em preto, nomes do estado e município, duas letras e quatro números. Nos veículos de aluguel apenas a cor mudava (vermelho com detalhes em branco).

1990 – 2018

O padrão com três letras e quatro números pretos sobre fundo cinza seguiu por 28 anos, até o ano passado. Além da cor nova, as dimensões também foram alteradas (passou para 40 cm por 13 cm). Neste período, também foi criado o Renavan, cadastro nacional unificado de veículos. Cada carro possui a mesma combinação de placa do início ao fim, inclusive após transferências entre estados ou municípios.

[+] Veja mais Motores aqui