Práticas conservacionistas de solo no Noroeste viram referência

Práticas conservacionistas de solo no Noroeste viram referência

Jornal do Campo | Foto: Emater RS

O trabalho desenvolvido a campo por produtores, com assessoria dos escritórios municipais da Emater RS para a conservação do solo e ampliação da produtividade da produção agropecuária pode ser conferido recentemente em  Campina das Missões e Cerro Largo, na região de Santa Rosa.

As propriedades pertencem às famílias Spies e Mumbach, que são Unidades de Referência Tecnológica (URT’s) na área de solos.

Na propriedade da família de Luís Fernando Spies, na linha Buriti, em Campina das Missões, a principal fonte de renda é a produção leiteira e de grãos.

Com ações de assistência técnica e extensão rural e empenho dos produtores foram realizadas diversas práticas conservacionistas para recuperação do solo degradado, como descompactação, terraceamento e correção de fertilidade.

É na Vila Tremônia, interior de Cerro Largo, que a família Mumbach desenvolve as atividades de grãos, bovinos de corte e suínos. Em sua propriedade, adotaram a rotação de culturas, implantaram terraços e utilizam plantas de cobertura em parte da área.

Na região de Santa Rosa, Unidades de Referência Tecnológica (URT’s) em solos foram implementadas em 15 municípios. As práticas conservacionistas desenvolvidas nestas propriedades buscam valorizar os substratos essenciais para qualquer tipo de produção agropecuária: o solo e a água. Conservar significa menos perdas de água e de solos por erosão e mais produtividade e lucratividade nas lavouras e na pecuária.

Diante disso, são desenvolvidas e incentivadas práticas de acordo com a realidade de cada propriedade, como descompactação do solo, rotação de culturas, terraceamento no sistema de plantio direto, semeadura transversal ao declive e cobertura permanente do solo.

[+] Veja mais Jornal do Campo aqui

Publicidade